Google
 

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Distritais AFL - Análise e Antevisão

Por Rui Lopes

No Domingo passado disputou-se a jornada 6 dos Distritais de Lisboa, divisões 1 e 2.
Começa a haver certas definições relativamente ao domínio dos primeiros lugares de certas equipas.
Em Sintra nem uma vitória para amostra. 4 empates e 6 derrotas. Quase desastroso.
Os quatro empates foram do Pêro Pinheiro, Agualva, Mem Martins e MTBA. De resto perderam todos com a excepção do Albarraque que folgou. E o Rio de Mouro fez a pior performance ao ser batido pelo Damaiense em casa por 0-4.

Na 1ª Divisão, temos um novo líder na série 1. O Castanheira, única equipa que ainda não perdeu venceu a Sanjoanense no campo desta e assumiu a liderança, aproveitando a escorragadela da primeira derrota do Venda do Pinheiro no Livramento. O Freiria foi atrás e subiu à segunda posição.

Na série 2, o Alta de Lisboa manteve o primeiro posto, ao "despachar" o Palmense por 7-2.
Talaíde e Tires não quiseram ficar atrás. Somaram vitórias e acompanham o líder com os mesmo 15 pontos. Maior trambolhão deu o Agualva com o empate caseiro com o Mem Martins, descendo da 4ª para a 7ª posição.

Na outra ponta da classificação, na série 1, a Sanjoanense mantém a última posição apenas com 1 ponto, e os Montelavarenses são agora os penúltimos.
Na série 2, o Palmense continua sem pontuar.

O melhor ataque da série 1 é do Vilafranquense com 16 golos. A melhor defesa é do Freiria com 3 golos sofridos. O pior ataque pertence aos Montelavarenses apenas com 2 golos marcados e a pior defesa é a do Murteirense com 21 golos sofridos.

Na série 2, o melhor ataque é do Alta de Lisboa com 23 golos marcados, as melhores defesas são as do Tires e a do Agualva com 4 golos sofridos. O pior ataque pertence a Algés e Cacém B com 5 golos marcados e finalmente a pior defesa é a do Palmense que já sofreu 19 golos.

Na 2ª divisão, Coutada e Alverca mantiveram o primeiro lugar, respectivamente nas séries 1 e 2. Mas na série 3 há a novidade do Olivais Sul passar a ser o líder isolado depois de bater o até agora imbatível, Encarnação e Olivais que desceu à 3ª posição. Nesta mesma série o Vitória de Lisboa subiu ao 2º lugar.

Voltando à série 1, o Fonte Grada, equipa que disputou todos os jogos fora até agora, insiste em não pontuar, apesar de ter marcado o segundo golo na prova, mas já leva 22 sofridos. Nos 4 primeiros lugares nada de novo e Coutada, São Pedro, A-dos-Cunhados e Ota continuam sem perder. Coutada é o melhor ataque com 25 golos marcados, e o UD Recreio tem a melhor defesa com 6 golos sofridos.

Na série 2, o Alverca continua só a ganhar e continua primeiro, e nesta jornada despachou o Barreiralvense por 7-0. Nos três primeiros lugares tudo na mesma. Lá atrás a "lanterna vermelha" é (para não variar) o "nosso" Império de Anços. Tem um ponto. O Barreiralvense é agora o penúltimo. O Mafra B já marcou 22 golos, mas o Alverca que tem 21 tem menos um jogo. São os melhores ataques. Defender também é com o Alverca, sofreu só um golo e é a única equipa que não perdeu
O Império só marcou 2 golos, e o Frielas já sofreu 16 e lideram na parte negativa.

Na série 3, a mudança. O grande jogo da jornada foi o Olivais Sul-Encarnação e Olivais. Um derby que originou a mudança de líder. Levou a melhor a equipa vizinha do aeroporto que impôs a primeira derrota ao anterior líder. O Olivais Sul passa a ser a única equipa que só sabe vencer e a única que ainda não perdeu.
O último lugar também mudou de dono. O Mexerume estreou-se a ganhar na sua curta vida e deixou a "lanterna vermelha" para o Malveira da Serra, enquanto o Rio de Mouro "ficou" com a penúltima posição.
O melhor ataque continua a ser o do Encarnação e Olivais com 27 golos marcados e a melhor defesa é a do Vitória de Lisboa com 4 golos sofridos. O pior ataque é do Malveira da Serra com apenas um golo marcado, equipa também que detém a pior defesa juntamente com o Outurela, com 19 golos sofridos.

Na próxima jornada destaco os jogos, na 1ª divisão, Mucifalense - Freiria, Venda do Pinheiro - Vilafranquense, Alta de Lisboa - Sacavenense e na 2ª divisão, Coutada - A-dos-Cunhados, Bocal - Alverca e Vitória de Lisboa - Santa Maria. Não escolho jogo da jornada, mas sim jogos. Coutada - A-dos-Cunhados e Bocal-Alverca serão os jogos da jornada.

Crónicas anteriores:
26 de Setembro
2 de Outubro
11 de Outubro
18 de Outubro
25 de Outubro

Futsal

1ª Divisão Nacional
retirado do jornal Actual Sintra por Nuno Cruz

SC Vila Verde na elite do futsal

A goleada sofrida acaba por ser natural, tendo em conta os orçamentos e os objectivos das duas equipas


Sporting Clube de Portugal 8 vs Sporting Clube Vila Verde 1

O Sporting Clube de Vila Verde deslocou-se ao Pavilhão Paz e Amizade em Loures para defrontar o vice-campeão Nacional. O resultado foi bastante desnivelado, mas os jovens jogadores do Vila Verde venderam cara a derrota. Não era um jogo fácil, mas o primeiro golo do Sporting CP, logo aos 40 segundos, deitou por terra a táctica que o treinador Naná tinha delineado para este encontro.
Destaque para a total entrega dos jogadores do Vila Verde que tiveram algumas ocasiões claras de golo, construídas ainda no primeiro período de jogo, mas que não foram concretizadas. Os leões, com mais eficácia motivada pela muita experiência e qualidade do plantel às ordens de Paulo Fernandes, acabariam por matar o jogo com dois golos a terminar a primeira parte.
O segundo tempo serviu para ambas as equipas fazerem rodar jogadores menos utilizados e deu ainda para assistir a um excelente momento de futsal, quando Dura tirou três adversários do caminho, atirou para defesa de João Benedito e, na recarga, Capelas fez o merecido golo para o conjunto sintrense.

No final do jogo, o técnico da equipa de Vila Verde analisou o jogo afirmando que «a diferença notou-se principalmente na qualidade na finalização e manutenção de posse de bola». Mas a estratégia montada para este jogo acabou por ruir logo de início, isto porque «o objectivo passava por jogar o primeiro minuto atrás e a seguir pressionar... mas nem um minuto conseguimos aguentar, devido ao golo aos 40 segundos», acrescentou Naná. Mesmo assim, o técnico destaca «as oportunidades que a equipa construiu mas que não soube aproveitar», realçando a «muita juventude da equipa» que precisa de «ganhar tempo e experiência para melhorar no futuro e conseguir um plantei mais homogéneo».


2ª Divisão Nacional - Série B
retirado do jornal Actual Sintra por Bruno Maia

Rio de Mouro desfalcado vende cara a derrota

Depois de ter chegado à vantagem, a equipa da casa permitiu a reviravolta no curto espaço de segundos logo no início da segunda metade, não tendo depois capacidade de reacção para voltar a correr atrás do resultado


GD Rio de Mouro, Rinchoa e Mercês 2 vs Ass. Moradores Portela 3

Foi um Rio de Mouro desfalcado que se apresentou no Pavilhão da Serra das Minas, com pelo menos seis ausências forçadas. Ainda assim, a equipa bateu-se bem, e conseguiu, a espaços, criar embaraços aos visitantes. Com efeito, e apesar da equipa da Portela ter entrado melhor na partida, e ter criado algumas boas oportunidades para marcar, tendo, nos primeiros minutos enviado duas bolas ao poste, foi a equipa da casa que chegou primeira ao golo, por Nuno Silva, em cima do quarto de hora de jogo, após uma bonita combinação com Luisinho, num lance estudado após a marcação de um livre.
O Rio de Mouro chegou ao intervalo em vantagem, mas no início do segundo tempo pareceu uma equipa mais retraída e a pensar demasiado em segurar a vantagem escassa que tinha, o que, sobretudo nesta modalidade, é sempre perigoso. O Portela foi crescendo e em escassos 20 segundos, corria o minuto 23, conseguiu dar a volta ao marcador, primeiro por Pedra, e depois por Mário Fernandes.
O jogo estava numa fase muito equilibrada e, apesar daquele minuto fatídico, os homens de João Rodrigues não esmoreceram, e conseguiram reagir à desvantagem, com Pedro Barata, aos 32 minutos, a repor alguma justiça no marcador.
No entanto, não foi preciso esperar muito tempo. para que a equipa visitante voltasse a passar para a frente. Apenas 2 minutos tinham passado quando Pedro Fernandes encheu o pé, e, de meia distância assinou o seu segundo tento, de belo efeito.
Foi uma partida em que o empate teria sido um prémio justo para os anfitriões, que foram sempre uma equipa batalhadora. Fica também a sensação que, com a equipa completa e sem ausências forçadas, esta equipa do concelho de Sintra pode fazer mais e melhor nesta competição.
O trabalho da dupla de árbitros de Lisboa não merece quaisquer reparos já que não teve qualquer interferência no resultado.

Rio de Mouro-
Ricardo Dias
Paulinho
Nuno Barata
Chiquinho
Pedro Barata 19'

Zizou
Luisinho
Ruben
Diogo

Golos:
1-0 Zizou 15'
1-1 Pedro Fernandes 23'
1-2 Mário Fernandes 23'
2-2 Pedro Barata 32'
2-3 Pedro Fernandes 34'

Ao abordar esta partida, o técnico João Rodrigues começou por salientar as dificuldades que a sua equipa teve ao longo da semana. Lesões e outras questões levaram a seis ausências para o jogo de Sábado. Ainda assim, o treinador considerou que o Rio de Mouro «face às condicionantes que teve durante a semana que passou, se bateu bem, e criou oportunidades para não perder, pelo que os jogadores estão de parabéns».

Ainda o Sintrense - Alcochetense

retirado do jornal Actual Sintra

O encontro agendado para esta jornada prometia, já que seria um frente a frente entre os primeiro e quinto classificados da tabela. E não desiludiu. Apesar de nem sempre se ter praticado um futebol espectacular, o jogo de domingo valeu pela entrega das duas equipas, que proporcionaram uma partida agradável de seguir.
Foi a equipa da casa que começou melhor o encontro, mas, sobretudo na primeira meia hora, não se viram flagrantes oportunidades de golo. As equipas estavam tacticamente encaixadas, e só um lance de inspiração permitiu a Josué, aos 28 minutos, assinar o primeiro golo da tarde. Um lance muito bonito, em que o homem da casa se livrou mui-to bem de Lóia, e rematou cruzado, fora do alcance do guarda redes adversário. Estava melhor o Sintrense que, volvidos 4 minutos, viu o capitão Paulo Vieira, bem colocado em posição frontal, desperdiçar mais uma boa ocasião.
O Alcochetense reorganizou-se, e começou a acercar-se mais perigosa-mente da área contrária, tendo dado o primeiro sinal através de Willy, na sequência de um contra ataque rápido. Não marcaria nesta jogada, mas, aos 41 minutos, o árbitro leiriense Fábio Veríssimo assinalaria uma grande penalidade favorável aos visitantes, castigando um empurrão de Mateus ao mesmo Willy dentro da área de rigor. E seria este a converter a grande penalidade, de forma irrepreensível. O empate conferia alguma justiça, no final da primeira metade do desafio.
No segundo tempo, o Sintrense não conseguiu, muitas vezes, ser tão lúcido como na primeira parte, o que permitiu que, em algumas ocasiões, o adversário criasse algum perigo. No entanto, raras vezes o guarda redes Renato se viu em sérios apuros. A excepção mais relevante ocorreu em cima do minuto 75, após remate de Chiquinho, com boa intervenção do guardião da casa.
Os comandados de Paulo Morgado demonstraram sempre uma grande entrega ao jogo e vontade de vencer, mas, sobretudo em termos de finalização, revelaram algumas carências.
O resultado ajusta-se bem ao encontro, que teve uma boa arbitragem do trio de Leiria. O lance da grande penalidade é de difícil análise do local onde assistimos ao jogo, pelo que damos o benefício da dúvida a Fábio Veríssimo.

Paulo Morgado, treinador do Sintrense considerou que a sua equipa esteve «melhor no primeiro tempo, em que fomos mais perigosos e criámos mais lances de golo». No entanto, e tendo em conta o desenrolar do jogo, acha o resultado «justo, dado que o Alcochetense também se bateu bem». O técnico da casa analisou ainda o lance da grande penalidade, referindo que, do local onde se encontrava, Ihe pareceu bem assinalada, embora tenha ficado «com dúvidas se terá sido dentro ou fora da área, mas a falta existiu».

Divisão Honra AFL

Libério Lopes não saiu

Foi uma noticia no SintraSport, mas houve um volte face. Libério Lopes regressou ao Povoense a pedido de dirigentes e jogadores. E já orientou a equipa no último jogo no Domingo. Ou seja, o treinador esteve fora do Povoense apenas algumas horas.

Divisão Honra AFL

Loures troca de treinador

A equipa que referimos num post anterior que efectuou troca de treinador é o Loures. O novo treinador é José João que substitui assim Carlos Pedroso. José João treinou na época passada o Encarnacense e encontrava-se actualmente sem clube.

Breves

Divisão de Honra AFL

Mais uma mudança de treinador
Há uma equipa da Honra que mudou de treinador. Nas próximas horas publicaremos o nome do clube e do seu novo treinador.

Pêro Pinheiro estreia Rato
Foi no passado Domingo na Encarnação, que o Pêro Pinheiro estreou o seu novo reforço.
Rato, que jogava na Associação Torre, jogou os últimos 10 minutos na última partida do campeonato, num jogo que o treinador Carlos Rilhas teve que chamar o junior Motorola devido à falta de jogadores (são vários os jogadores lesionados no plantel do Pêro Pinheiro).

2ª Divisão - Série D

Carregado sem Paulo Silva
Paulo Silva, defesa-central do Carregado, lesionou-se no jogo com o Juventude Évora e está em dúvida para a deslocação ao terreno do Atlético. O treinador Elói Zeferino não conta, para já, com os lesionados Tomás, Padinha, João Pedro e Diogo.

3ª Divisão - Série E

Crise no Cartaxo - Presidente quer sair
Crise instalada no Cartaxo. À crise desportiva — a equipa ocupa o penúltimo lugar da série E da III Divisão —, alia-se um grave problema directivo com

o presidente Avelar Marques a ameaçar demitir-se na próxima reunião de Direcção, marcada para sexta-feira.

«A ideia passa mesmo por sair. A decisão não passa pelos resultados, mas pelo tratamento que temos por parte da Câmara Municipal que só apoia alguns clubes», apontou o dirigente, que, pouco depois, prosseguiu com as críticas: «O tratamento não é igual para os outros clubes do concelho. Assim não dá para continuar...»

Duas baixas no Alcochetense
O central Pina e o avançado Ricardo Ribeiro, ambos do Alcochetense, lesionaram-se no jogo com o Sintrense e não se treinaram com o restante plantel.

2ª eliminatória Taça Associação Futebol de Lisboa

Taça Associação Futebol de Lisboa

2ª eliminatória Jogos às 14.30 Horas
18 de Novembro de 2007

CD.Venda Pinheiro (I) - CF Odivelas “B” (I)
GS.Carcavelos (II) – UD Alta de Lisboa (I)
FC.Ota (II) – GDR.Fontaínhas (I)
AMCD.Charneca (I) - SG.Sacavenense (I)
UDR.Santa Maria (II) - Palmense (I)
GDS Cascais (II) - CF Unidos (I)
Atl.Cacém “B” (I) - SC.Lourinhanense (I)
Sto.António Lisboa (I) - Freiria SC (I)
Mem Martins SC (I) - Santiago FC (II)
SCU.Torreense “B” (I) - Coutada (II)
ACD.Bocal (II) - MTBA (II)
CF. Santa Iria (I) - FC.Alverca (II)
Câmara Lisboa (I) - UD.Vilafranquense (I)
UDR.Algés (I) - Ponte Frielas (II)

Trio de regresso no Atlético do Cacém

O guarda-redes Neno, e os defesas Nuno Barata e Rui Arroja, estarão de regresso à competição no jogo com o Santana após terem cumprido castigo. Vasco Franco e Ivo continuam lesionados sendo possível que recuperem para o próximo desafio.

Hugo Freire no 1º Dezembro.

Segundo o Jornal A Bola o médio Hugo Freire assinou por uma época e começou hoje a treinar-se no 1º Dezembro.
A equipa orientada por Paulo Fonseca, assegurou ontem a contratação do médio ofensivo Hugo Freire. O experiente jogador encontrava-se sem clube, tendo representado entre outros, já o Atlético, Nacional e Caniçal.

Entretanto, o 1.º Dezembro prepara-se para enviar uma exposição à FPF relativamente à arbitragem que a equipa sofreu na partida com o Santana. Recorde-se que, além da expulsão do treinador Paulo Fonseca, o médio Adilson, o defesa Fred e os guarda-redes Cardoso e André Vilar também foram expulsos.

«Em muitos anos de futebol nunca assisti a uma situação destas. Para o próximo jogo não tenho ninguém para a baliza», lamentou Paulo Fonseca.

Caixa de Crédito Agrícola coloca Sintrense em tribunal

retirado do Alvor de Sintra

Entidade bancária processa clube de Sintra por incumprimento de prestações relativas a empréstimo para construção de bancada com galeria comercial. Direitos de formação provenientes da transferência de Luís Loureiro chegavam para liquidar mais de uma prestação mas foram usados pela actual direcção na despesa corrente, contra proposta apresentada em assembleia-geral, refere Carlos Garcia, tesoureiro na presidência de Adriano Filipe. Ao Alvor de Sintra, o presidente da mesa da assembleia geral do clube, Vítor Filipe, garante que utilização da verbas está em averiguações e confirma conhecimento da acção judicial, embora negue qualquer notificação.

A Caixa de Crédito Agrícola colocou uma acção em tribunal contra o Sintrense. Em causa está o incumprimento de prestações relativas a empréstimo concedido para a construção da bancada do clube, num montante de quase 98 mil euros. Ao que apurou o Alvor de Sintra , terão já sido notificados membros da direcção liderada até 2006 por Adriano Filipe, para depor em tribunal. Carlos Garcia, tesoureiro da anterior direcção, confirma os factos. O antigo responsável pelas contas do clube garantiu no entanto ao Alvor de Sintra que, apesar de ter sido a presidência de Adriano Filipe a contrair o empréstimo, o incumprimento das prestações é da responsabilidade da actual direcção. Em assembleia-geral, revela, “ficou cativa a verba relativa aos direitos de formação de Luis Loureiro" relativos à transferência para o Dínamo de Moscovo, num total de 80 mil euros. O montante terá sido usado para gestão corrente, refere, mas “só agora tivemos a certeza que ainda não pagaram nada, aquando da aprovação das contas do clube”, há duas semanas.

Carlos Garcia considera que decisão da direcção, liderada por Neves Pedro, “não é só uma irresponsabilidade mas falta de respeito por uma decisão de uma assembleia geral, algo bem mais grave”. O empréstimo em causa teria uma periodicidade de pagamento semestral. O ex-dirigente menciona ainda a existência de verbas que garantiriam o pagamento das prestações subsequentes à que motiva a acção judicial. “Pagava-se quase uma prestação com os direitos de formação de Luís Loureiro, e tinham [a direcção] com a devolução do IVA, cerca de 50 mil euros, além de 200 mil que estava previsto chegarem através de apoios da Câmara Municipal de Sintra”. O IVA tardou e os apoios da autarquia não chegaram. A utilização da verba relativa a Luís Loureiro deixou a descoberto as provisões destinadas à liquidação do empréstimo.

A uma semana de o clube de Sintra ir a votos, o antigo dirigente não poupa os membros que integraram a lista de Neves Pedro. Questionado sobre a probabilidade de Joaquim Veríssimo, vice-presidente demissionário, apresentar uma lista candidata à direcção do Sintrense, o antigo dirigente declara que “o Dr. Veríssimo dos Reis é tão responsável por esta situação como qualquer membro da direcção. Não merece receber o meu voto, enquanto sócio do Sintrense”.

Do lado da actual direcção, Vítor Filipe, presidente da mesa da Assembleia Geral do clube, garante que “a direcção tem estado a tentar negociar a dívida extrajudicialmente”. Sobre a acção interposta pela Caixa de Crédito Agrícola, explica, “ainda não fomos citados, embora tenha conhecimento oficioso da existência da acção”.

O Sintrense tem eleições marcada para dia 9 de Novembro. Até agora, a única lista dada como provável candidata à direcção do clube seria a encabeçada por Joaquim Veríssimo dos Reis. O candidato terá recuado na sua intenção após a última assembleia geral do clube, em que a direcção cessante foi alvo de críticas visando o desempenho financeiro do clube. Contactado pelo Alvor de Sintra, Joaquim Verissimo não confirmou qualquer tomada de decisão num sentido, referindo “estar a ponderar” sobre o assunto.

Pressing na Honra

Crónica da responsabilidade de João Matos Reis

Antevisão - 8ª Jornada - 4 de Novembro

A verdadeira Liga dos Campeões

Da época 1968-69 até ao presente existiram 39 campeonatos da Honra - também em certa altura designada por 1ª Distrital (continuando todavia a ser a prova máxima da AFL). Muitos desses grandes vencedores estão actualmente a disputar a actual Honra, nada mais nada menos de 10 campeões desse mesmo campeonato :

Loures 4 vitórias 1974-75/ 1988-89 /1993-94 /2000-01
Futebol Benfica 3 vitórias 1986-87 /1994-95 /2004-05
Bucelenses 1 vitória em 1975-76
SL Olivais (1995-96)
Lourel (2005-06)
Pêro Pinheiro
(1987-88)
Malveira (1978-79)
Fanhões (1984-85)
Povoense (1972-73)
Casa Pia (1982-83)

Mas e falando na nossa Honra o grande vencedor no geral é o Vilafranquense contando com 5 vitórias, refira-se ainda que o Atlético do Cacém tem 4 e que o Estrela Amadora e o Estoril ambos venceram uma vez entre muitos outros - Mafra, Odivelas, Alverca, 1º Dezembro, Igreja Nova (época passada), Operário (de Lisboa) e Lourinhanense todos também com uma vitória.

Se juntarmos ainda o Linda-a-Velha - campeões de Lisboa em 1962/63, o Ericeirense que venceu a taça AFL em 1968-69 e 2003-04 e na época 2000-01 foi campeão distrital da 1ª Divisão A.F.L. (já havia contudo a Honra), o Pêro Pinheiro que para além do campeonato ganho em 87/88 também venceu a da Taça de Honra da A.F.L. na época de 1994/95, o Tojal vencedor da 1ª Distrital na época passada e finalmente o Ponterrolense com 3 Taças da AFL (1999-00/2004-05/2005/06)

E se ainda adicionarmos a presença do Musgueira na 3ª Nacional em 1990/91 e 91/92 e do Oeiras nas duas últimas épocas... diremos que esta HONRA É MESMO DE CAMPEÕES... VERDADEIRA LIGA DOS CAMPEÕES, a outra, a mais mediática, apenas a Liga Euromilhões e que por vezes tem os 2º , 3º e até 4º e 5º classificados de alguns Países.

Mas o que é necessário para ser campeão da Honra ou de outro qualquer campeonato?

Apenas 7 atributos:

C - condições de trabalho
A - ambição
M - misters
P - plantel
E - espírito de equipa
A - amizade
O - organização

C - Condições de trabalho
Muitas ainda consideram que os resultados no futebol são apenas determinados por pura sorte ou pelo acaso e que exista qualquer lógica que possa explicá-los. Mas as condições de trabalho de um clube são fundamentais. Um bom campo, um bom posto médico e toda uma gama de factores associados e ainda a total disponibilidade dos intervenientes.
O campo de jogo pode/deve influenciar seriamente o resultado de uma partida. Por exemplo: as dimensões do campo de jogo e em conjunto com as características do piso, trazem muitas consequências para a táctica e para o estilo técnico da equipa que é “dona” do recinto, podendo alterar a importância relativa da técnica, da velocidade, da força e da resistência dos seus jogadores. É um factor decisivo. Não é por acaso que verificamos que a performance até nesta Honra de certas equipas em casa serem tão díspar de quando actuam fora.

A - Ambição
Uma equipa ou jogadores sem ambição jamais serão campeões. Para ser o melhor, para além de muito trabalho, em cada jogo só existem duas alternativas: ganhar ou... vencer!
Jogadores empenhados em melhorar, atletas que todos os dias vão à procura de qualquer coisa. O êxito do Mourinho passou por isso. Terry, Drogba, Lampard eram bons jogadores, mas nunca tinham ganho nada... importa possuir jogadores que tenham ambição. Isto sucede no futebol de alta competição mas também servirá para o futebol amador. Porque o futebol amador também tem os seus vencedores.

M – Misters
Os elementos do grupo estão sujeitos à orientação de um treinador, o qual cada vez mais esta sendo coadjuvado por um elemento da sua inteira confiança. Em todos os clubes se trabalha assim e a Honra não é excepção. Para além de todas as nuances técnicas, físicas e tácticas, os técnicos também exercem sobre os jogadores o poder disciplinar. O jogador deve seguir as orientações e sua actuação será uma consequência do que foi pré-determinado, salvaguardando sempre o improviso e a capacidade técnica de cada atleta. O aspecto psicológico dos atletas também é importante e mais uma vez o papel dos técnicos é fundamental. Um atleta com problemas jamais poderá render. Importa que os técnicos conheçam e acompanhem os seus jogadores (mesmo ao nível da Honra). Um exemplo: o Liedson com Peseiro teve uma crise de golos. O técnico falou com o atleta em causa, acabou por saber que era um problema de saúde da esposa do “levezinho” e inclusive foi com ele ao Brasil. Na volta o Liedson pagou com juros (golos).
Depois importa que os técnicos sejam habilitados para a função que executam, mas isso vai se verificando, porque é cada vez maior o nível de categoria dos técnicos. Sobretudo isso é latente quando se verifica jogos entre equipas de plano secundário com outras topo de gama. Ainda agora no Sporting-Fátima, estes tinham o trabalho de casa bem efectuado. O seu técnico Rui Vitória porventura até sabe tanto de bola como Paulo Bento, mas um está nos leões de Portugal e o outro no Fátima do padre António.

P – Plantel
Efectivamente é fundamental ter um bom plantel ou um grupo equilibrado de jogadores que permitam atingir tal objectivo. O plantel deverá ser de 20 a 24 jogadores, equilibrado por sectores e tem de ter qualidade Um plantel sem qualidade dificilmente será campeão. Importa escolher bem os atletas, porque por mais que se conheça bem um atleta e saiba que ele tem boa técnica, capacidade física, boa conduta moral (fundamental), nunca dá para saber em quais condições ele se encontra e também se vai se adaptar bem ao clube e também se renderá o que era esperado. Um campeonato pode ser ganho logo em Junho ou Julho, no defeso, antes de cada competição começar. Importa manter a mesma estrutura (em condições normais) e apostar nas lacunas ou posições menos eficazes e ir ao mercado. Se porventura o clube tive uma cantera é aproveitar e potenciar todo esse trabalho de base. Futuro do futebol, mas isso será o tema da próxima semana.

E – Espírito de equipa, de grupo
O sucesso de uma equipa depende de vários factores. Um desses factores é o que se costuma chamar o espírito de equipa ou espírito de grupo. Uma equipa é, como se sabe um conjunto de jogadores, no entanto não apenas isso. Para que um conjunto de jogadores constitua uma verdadeira equipa é preciso algo mais: o espírito de equipa e isso é um conjunto de sentimentos, de comportamentos e atitudes que todos e cada um dos elementos deve ter e tomar em todas as acções, com vista a atingir os objectivos da equipa. Cada um dos seus elementos deve colocar esse objectivo como prioridade do seu comportamento.
Não existem jamais jogadores de 1ª ou de 2ª, efectivos ou suplentes, sendo depois evidente que cada técnico terá o seu onze base, aqueles que à partida lhe darão mais garantias. Mas esse onze base pode/deve ser alterado, dependendo dos resultados, da forma física/psicológica dos seus elementos e da adaptabilidade para determinado jogo. Para além das lesões e castigos.

A – Amizade
Entre os elementos do grupo devem existir fortes laços de amizade e solidariedade, que se manifestam nos momentos menos bons da equipa, contribuindo para recuperar psicologicamente os elementos menos felizes ou eficazes. Sobretudo nas derrotas o espírito de grupo é fundamental. Normalmente este espírito de grupo é vinculado em campo através dos seu capitão.

O - Organização
A filosofia desportiva de um clube, a gestão de conflitos e o conhecimento em como o futebol funciona, tanto dentro como fora das quatro linhas são muito importantes.
Dentro da filosofia de um clube este é um ponto fulcral. Se for um clube organizado onde o planeamento traçado se vá cumprindo, monitorizado, ao longo da época tudo será mais fácil. Embora no futebol mesmo com tudo organizado existam improvisos, o próprio futebol é imprevisível.
Gerir os conflitos significa, que mesmo quando há o abanão, tudo se aguenta, Mesmo nas derrotas tudo se une em prol de um resultado melhor nas jornadas seguintes. O Povoense há 2 épocas, teve 6 derrotas (iniciais) seguidas e no final ficou em 2º lugar e subiu de divisão.
Conhecimento de futebol - importa que determinado clube para além do seu valor intrínseco, do seu histórico, evolua, e evolua no bom sentido. É bom que os clubes interagem em defesa dos interesses comuns e é importante que os clubes estejam atentos a tudo o que se passa na sua divisão e claro até nas outras. Como se sabe desceram em 2 épocas 15 clubes da Honra, 9 deles condicionados com as classificações da III. Importa ter isso em conta.

A previsão vai (devida à extensão do tema) ser sintética, numa jornada de campeões e de muito difícil prognóstico - senão façam também a antevisão – jogando com 1 tripla - 3 duplas e 5 fixos. Dificilmente haverá uma outra jornada tão difícil, senão vejamos:

1º caso- Melhores classificados em casa de piores classificados:
Ass. Torre (14º)-Malveira (11º) - x
Lourel (12º) -Linda Velha (6º) – x2
Bucelenses (15º) - Casa Pia (1º) -12
Olivais (16º) – Encarnacense (2º) 1x2
Fanhões (18º) – Ericeirense (13º) 2
Povoense (17º) - F. Benfica (3º)- 1x

2º caso- Equipas equiparadas na tabela:
Loures (7º) - Ponterrolense (8º) 1
Pêro Pinheiro (10º) - Tojal (9º) 1
Musgueira (4º) - Oeiras (5º) x

Não é difícil... é mesmo dificílimo. Livra.

Remate Final :
- Foi a antevisão que mais gostei de efectuar, sobretudo porque sei que quem sabe disto – de futebol, sabe que muita coisa que aqui escrevi é algo positivo, que até contribui para se construir cada vez mais. Claro que não é um trabalho académico, nem jamais o pretendia ser - mas este simples “esboço” deu trabalho, mas sem trabalho nada se consegue.
- Os prognósticos (para mim o menos relevante de tudo isto) são aquilo que prevejo mediante determinadas condicionantes: classificação, hipotética actual forma (porque obviamente não vejo todos os jogos), série de resultados, factor casa, necessidade (pressão) das equipas, jogadores que não jogarão, entre outras coisas, tais como: a intuição ou mesmo jogar na surpresa, na zebra como dizem os brasileiros. Mas desde já Parabéns aos vencedores do próximo domingo e honra aos vencidos. Mas também era engraçado 9 empates... acho que era inédito (alguém me confirma)
- Também se refira que esta minha visão de um campeão é apenas a minha. Outros terão a sua visão sobre o mesmo modo, os factores que potenciarão um clube ser campeão. Alguns dirão, mas existem clubes vencedores da Honra que porventura não tinham os 7 atributos? Claro que não, se calhar nem os clubes profissionais o terão todos, mas tinham de ter no entanto 5 ou mesmo 6... porque não há milagres... mas não nos podemos esquecer também de alguns aspectos - a bola que bate no poste e sobretudo o improviso do jogador.

Artigos anteriores -
30 Agosto
6 de Setembro
13 de Setembro (antevisão 1ª jornada)
18 de Setembro (análise 1ª jornada)
20 de Setembro (antevisão 2ª jornada)
25 de Setembro (análise 2ª jornada)
27 de Setembro (antevisão 3ª jornada)
2 de Outubro (análise 3ª jornada)
4 de Outubro (antevisão 4ª jornada)
8 de Outubro (análise 4ª jornada)
11 de Outubro (antevisão 5ª jornada)
16 de Outubro (análise 5ª jornada)
18 de Outubro (antevisão 6ª jornada)
22 de Outubro (análise 6ª jornada)
25 de Outubro (antevisão 7ª jornada)
29 de Outubro (Análise 7ª jornada)

2ª Divisão Série D

por Nuno Costa no Notícias da Manhã.

"Triunfo teve apenas a ver com a sorte do jogo”


António Pereira estreou-se da melhor forma no comando técnico do Odivelas, pois foi a Pinhal Novo bater a sua anterior equipa por 3-1. Um desfecho que segundo o próprio “nada teve a ver” com o conhecimento profundo que tinha sobre os jogadores adversários (foi ele quem montou o plantel) nem com a sua forma de jogar, mas apenas “com a sorte do jogo”. Todavia, o treinador não deixa de salientar que “o desfecho foi inteiramente justo e que o resultado não deixa margem para dúvidas sobre qual foi a melhor equipa ao longo dos 90 minutos”.
Há uma semana a lidar com o grupo de trabalho, António Pereira, apesar de reconhecer que ainda “não” tem um conhecimento profundo da equipa, já chegou a algumas conclusões sobre a mesma, sugerindo que “o plantel terá que ser reforçado”, não adiantando, para já, datas para a entrada de novos jogadores. Sobre os objectivos, o técnico foi parco em palavras, afirmando apenas: “Vamos tentar não descer de divisão”. No próximo domingo irá ter lugar a recepção ao Real, actual último classificado da Série D, mas António Pereira não se deixa iludir: “A posição do Real nada significa, pois sei que se trata de uma equipa bem orientada e bem organizada”.

Saída e entrada no Linda-a-Velha

Ricardo Sousa guarda-redes que fazia parte do plantel do Linda Velha deixou o clube por motivos pessoais.
Segundo João Matos Reis do Departamento Futebol do Sporting Clube de Linda Velha, "A sua postura enquanto atleta do clube foi sempre a melhor. Votos das maiores alegrias na sua vida pessoal e desportiva."

Para substituir Ricardo Sousa o clube de Linda Velha contratou o guarda-redes Pedro Miguel, que será conhecido no plantel como Miguel. O guarda-redes de 32 anos, com 1.88 cm representava o Amora FC da 3ª Divisão Série F, sendo titular até Domingo passado na formação da margem sul. Efectuando ontem o seu primeiro treino.

Miguel iniciou-se nas camadas jovens do Estoril, passando pelo Atlético, regressando ao Estoril, Odivelas, Carregado, Beira Mar de Monte Gordo na época passada e por último Amora.

Cantinho do Cacém

Espaço da responsabilidade de Nuno Gaspar

Vamos mais uma vez fazer uma retrospectiva a mais um fim de semana desportivo:

Mas antes de mais, uma equipa B não é uma "segunda" equipa de um clube, é sim uma equipa que tem de apostar em jovens jogadores e na formação, para quê?, para com o seu trabalho demonstrado nos treinos e efectuado nos jogos, se mostrarem, para poder ter a oportunidade de jogar na equipa A. Por isso esta semana temos uma excelente oportunidade de vir apoiar mais uma equipa do nosso Atlético do Cacém, é concretamente a equipa B de futebol que tem mostrado nomeadamente nos últimos jogos efectuados, que a sua classificação na Iª Divisão Distrital não mostra o seu verdadeiro potencial valor. Tenho vindo a acompanhar os treinos e nos jogos que já assisti, é uma formação um pouco jovem sim, mas com muito espírito lutador. Poderá se dizer que os adversários, mais experientes, têm tirado partido disso, mas a resposta tem de vir de dentro do grupo. Certamente pessoas como o Edgar, Luís Dias (Luisinho) que na última semana foi chamado à equipa A, Castor que também foi chamado e marcou um belo golo, Sandro Conceição, Iordanes, Bruno Branco, Tiago Tenrreiro, João Silva, Daniel Augusto, Lavinas, Pedro Silva, Nuno Simões, Sérgio Cecílio, Carlos Ferreira, Tiago Carlos, Moutinho, Bubacar, Márcio Alves, sentem o símbolo nas camisolas, mas também sem a nossa ajuda não conseguem ultrapassar este momento menos bom, POR ISSO:

Vamos TODOS e em CONJUNTO com estes jogadores acima referidos nos UNIR em prol da NOSSA EQUIPA para que a partir deste momento todos estes jovens possam nos mostrar todo o Futebol que eu sei que praticam. Domingo Vamos todo ao JOAQUIM VIEIRA pelas 15 Horas para apoiar mais esta magnifica equipa do nosso Atlético do Cacém.

Numa deslocação algo longa, a nossa equipa A de Futebol visitou Portalegre, onde a equipa local continua no último lugar e precisa de pontos como de pão para a boca. Na primeira parte da partida, ambas as equipas disputaram o jogo pelo jogo e ambas tiveram muitas oportunidades de golo, jogou-se muito pelos ares, com constantes lançamentos longos. Já na segunda parte a nossa equipa pós a bola no chão, circulou muito melhor a bola e obteve o mérito de marcar dois golos um por Casquinha na finalização de cruzamento e por último Castor vindo do banco e de cabeça fazia o segundo golo para a nossa equipa e também o seu segundo golo nos A´s, continuem assim para conquistarmos os três pontinhos para o pecúlio do sempre difícil campeonato.

A nossa equipa B foi a única que jogou no novíssimo sintético do Sacavenense, com uma excelente troca de bola, dominando todos os quadrantes. Ficava um desafio que eu acho que ficou delineado, mesmo com um desfecho contrário: " Mostrar o verdadeiro valor desta equipa de Futebol", ficou provado por quem acompanhou esta nossa equipa que em todos os recintos em que o Cacém joga, damos tudo o que podemos e temos dentro destes jovens jogadores. Não é porque perdemos mais este jogo que a equipa não presta, é certamente por falta de SORTE, pois numa equipa que praticamente domina perto de 70 minutos de jogo global, não pode ser considerada uma má equipa... Continuando, no novíssimo sintético do Sacavenense, os nossos jogadores fizeram um jogo prático com uma muito boa circulação de bola, na segunda parte em duas situações de ataque da nossa equipa, surgiram os golos da equipa da casa em dois contra ataques mortíferos, Teixeira aos 55 minutos e Bernard aos 65 fizeram dois golos nas duas únicas ocasiões de golo geradas pela equipa da casa, é o futebol... A nossa equipa baixou e muito os níveis de agressividade ofensiva devido aos golos caseiros, tendo nos últimos 15 minutos obtido outra pressão quase consecutiva. Temos certamente uma boa equipa mas falta ter a estrelinha do nosso lado, quando esse astro se fixar no Cacém certamente vamos dar a volta por cima, está quase.

A nossa equipa de Juniores, Sábado pelas 15 Horas recebeu e venceu por 4-1 a equipa do Linda-a-Velha, foi um jogo muito bom em termos técnicos, destacando-se o regresso de Jardel (Alex) ao seu ambiente (Equipa de Juniores). A equipa do Cacém esteve muito rematadora, quer em remates longos com muito perigo, quer em jogadas estudadas em que o guardião do Linda-a-Velha, Ricardo Moreira, se oponha muito bem. O Bloco defensivo da equipa do Cacém esteve sempre em alta e com muita segurança, no meio campo comandava o timoneiro Jardel que com a sua qualidade de jogo deu tranquilidade à nossa equipa, o ataque esteve entregue a Bari com a ajuda de Rocha esteve um pouco perdulário no início do jogo, pelos flancos trabalhavam Serginho e Lima, dois bons jogadores encaixados numa excelente equipa.
Na passagem da meia hora de jogo a equipa do Linda-a-Velha começou a dominar mais o meio campo e a conseguir muitas mais oportunidades de golo, tendo os níveis de concentração da nossa equipa crescido claramente, numa jogada já perto do final da primeira parte e num período que pode ser considerado ideal, a nossa equipa conseguiu chegar à vantagem numa excelente finalização de cabeça por parte de Serginho . Na segunda parte a equipa do Cacém controlava o desafio quando à passagem do minuto 70 André Figueiredo fez o golo do empate num lance de contra ataque puro. Um Revez muito grande para o nosso treinador Luís João que ficou mais descansado oito minutos depois com o segundo golo de Serginho, numa finalização de raça e crer. no minuto 80, Ivan Rocha desfere o remate fatal na partida para a equipa forasteira e faz o 3-1, mas mesmo em cima da hora estava marcado para o melhor golo da tarde numa excelente finalização num remate muito colocado e cheio de intenção o nosso jogador Gonçalo marcou um excelente golo sem hipóteses de defesa para o guardião Ricardo.
Foi sem dúvida mais um jogo cheio de raça e crer para a esperada vitória final.

Fica aqui os cartazes para que também você possa comparecer no Joaquim Vieira para também apoiar as nossas equipas.


Crónicas anteriores:
23 de Agosto
30 de Agosto
5 de Setembro
13 de Setembro
20 de Setembro
27 de Setembro
3 de Outubro
10 de Outubro
17 de Outubro
24 de Outubro

Sintrense e Bastos Lopes chegam a acordo

por Diogo Carvalho no Notícias da Manhã.

O Sintrense e o seu antigo treinador Alberto Bastos Lopes chegaram ontem a um acordo amigável, evitando assim que o processo seguisse os caminhos da justiça.
Num almoço promovido pelo antigo presidente do clube Alberto Baptista, no qual o ex-dirigente não esteve presente por motivos pessoais, e que contou também com a presença do também ex-líder Adriano Filipe, Bastos Lopes, que se fez acompanhar da sua advogada, chegou a um entendimento com Neves Pedro, actual presidente da colectividade. Em declarações ao NM, Neves Pedro, que foi o único dirigente da actual direcção presente no almoço, adiantou que Bastos Lopes “compareceu no almoço com vontade de resolver todas as questões”. “Estou satisfeito por ter chegado a um acordo com Bastos Lopes e agradeço toda a sua disponibilidade para chegarmos a um consenso”.
Por seu lado, o agora treinador do Peniche foi parco em palavras, confirmando ter chegado a acordo com o clube. “A questão era fazer tudo para que o Sintrense não fosse prejudicado e isso foi conseguido. Fui sempre bem tratado no clube e isso não esqueço”, afirmou Alberto Bastos Lopes.
De acordo com uma fonte ligada ao processo, o Sintrense vai agora pagar cerca de 10 mil euros a Bastos Lopes, valor que corresponde aos vencimentos entre a sua saída do Sintrense e a sua chegada ao Peniche.

Divisão Honra AFL

por Paulo Figueiredo no Notícias da Manhã

"Terão que trabalhar muito para nos tirarem a liderança”

Após derrotar o Lourel por 3-2, o Casa Pia beneficiou do empate do Encarnacense, em casa, perante o Pêro Pinheiro para se isolar na frente do campeonato. José Viriato, treinador dos «gansos», mostrou-se optimista em relação ao futuro da equipa sem, contudo, criticar o desempenho dos seus atletas na primeira parte da partida com o Lourel: “Não fizemos tudo o que estava ao nosso alcance. Começámos a ganhar mas dois erros defensivos fizeram que fossemos para o intervalo em desvantagem. No segundo tempo circulámos bem a bola e foi com naturalidade que chegámos à vitória. Apesar da exibição não ter sido muito positiva no primeiro tempo, a equipa está bem física, técnica e tacticamente.”
Questionado se acredita que a sua equipa se irá manter na liderança até ao fim, José Viriato nem vacilou na resposta: “Até agora ainda não vi nenhuma equipa superior à nossa. No entanto, contra nós todos se agigantam e, por isso, até costumo dizer que somos o Real Madrid da Honra. Mas, com os meus jogadores bastante moralizados, os nossos adversários vão ter que trabalhar muito para nos tirarem da liderança”.

Na máxima força para Bucelas
Sobre a próxima partida com o Bucelenses, o treinador do Casa Pia não quer ouvir falar em facilidades: “Encaramos todos os adversários da mesma forma independentemente de estarem em primeiro ou em último lugar. Cada jogo tem a sua história e, sendo assim, vou dizer aos meus jogadores para procurarem a vitória sem nunca deixarem, porém, de respeitar o nosso adversário que, em casa, costuma ser uma equipa complicada”.
Todo o plantel às ordens de José Viriato se encontra operacional para o jogo de Bucelas.

terça-feira, 30 de outubro de 2007

O Desafio do Guerreiro

por Nuno Sinosgas

Um Desafio diferente.
Sintrasport - Porque o Futebol Não é só o profissional.


Tudo começou com um email recebido que dizia "Visita e colabora sintrasport.blogspot.com um abraço Rui ". Simples e eficaz, o Rui estrategicamente recolhia os emails dos leitores e participantes em comentários dos clubes do concelho no sítio zerozero.pt e divulgava assim o seu excelente trabalho.
Como webmaster do Blogue não oficial do Atlético Clube do Cacém, recebia dezenas de emails a dizer algo parecido, sinceramente pensei que iria encontrar mais um blogue ou site direccionado para o futebol profissional onde se fala de tudo e a maior parte das vezes fala-se mal dos adversários e nos quais se esquece a essência da competição em si. Infelizmente cada vez mais os adeptos esquecem que ganhar e perder é desporto e tão importante é saber ganhar como perder.

Foi uma agradável surpresa o que encontrei, um blogue direccionado para o futebol amador, aquele que há anos acompanho e ao qual poucos dão o devido valor.
Finalmente encontrava um ponto de referência credível e isento onde poderia não só encontrar a informação como fazer a divulgação da mesma e assim comecei como colaborador.

Passados alguns meses o Rui Lopes convidou-me para fazer parte da direcção deste projecto, o qual aceitei sem hesitar. Com orgulho vestia esta camisola, começava a nova época desportiva e o objectivo do Sintrasport mantinha-se em cada vez mais e melhor divulgar o futebol amador, como diz o nosso slogan :

"Porque o futebol não é só o profissional."

E agora que Sintrasport comemora um ano de existência a divulgar o futebol amador distrital do concelho de Sintra e distrito de Lisboa, não poderia deixar de dar os parabéns públicos ao Rui Lopes por esta iniciativa, eu e todos os amantes do futebol amador agradecemos o seu labor e iniciativa em começar e manter este espaço actualizado diariamente, apesar dos parcos recursos existentes.

Nesta semana de comemoração deixo aqui um apelo a todos os que acompanham, participam e vibram com o futebol amador, o futebol dos pequenos mas grandes clubes espalhados por este distrito, divulguem o vosso clube, colaborem com o Sintrasport. Queremos ainda mais ser a referência de todo o futebol amador, mantendo a credibilidade e a isenção que nos são reconhecidas. Para isso contamos com a ajuda de todos para cada vez mais o futebol amador ocupar o lugar de relevo que merece.
Nós cá estaremos para o fazer.

Crónicas anteriores -
28 de Agosto
5 de Setembro
11 de Setembro
18 de Setembro
1 de Outubro

Historial - SINTRENSE vs ORIENTAL

Um clássico do futebol secundário e terciário. Duas equipas que se teem defrontado diversas vezes na 2ºDivisão e 3ºDivisão. A 9º jornada oferece este embate entre a equipa de Sintra, 6º classificada com 12 pontos, e o clube da zona Oriental de lisboa, 11º classificada com 9 pontos.

1966-67....1-1
1967-68....1-0...Sintrense
1968-69....3-1...Sintrense
1969-70....???
1970-71....???
1971-72....1-1
1972-73....1-1
1973-74....---
1974-75....---
1975-76....1-1
1976-77....???
1977-78....---
1978-79....???
1979-80....---
1980-81....---
1981-82....---
1982-83....3-2...Sintrense
1983-84....1-2...Oriental
1984-85....---
1985-86....---
1986-87....---
1987-88....---
1988-89....---
1989-90....---
1990-91....1-1
1991-92....5-3...Sintrense
1992-93....---
1993-94....1-2...Oriental
1994-95....---
1995-96....---
1996-97....---
1997-98....---
1998-99....0-1...Oriental
1999-00....---
2000-01....---
2001-02....---
2002-03....---
2003-04....1-1
2004-05....---
2005-06....---
2006-07....2-1...Sintrense
2007-08....

Rescaldo 2ª Divisão D e 3ª Divisão E

2ª Divisão B Série D 9ª Jornada 2007/10/28

A malapata continua e a lanterna não se apaga para o Real.

  • Pinhalnovense 1-3 Odivelas - António Pereira regressou a uma casa que esta época conheceu bem e da qual saiu a meio, e "vingou-se" catapultando o Odivelas para cima, para um lugar mais condizente com os seus pergaminhos. Paco Fortes ainda não conseguiu vencer no seu regresso ao Pinhal Novo.
  • Mafra 0-1 Lagoa - A grande surpresa da jornada, primeira derrota do Mafra em casa onde apenas tinha vencido, os algarvios do Lagoa depois de derrotarem na passada jornada o Madalena, infligiram nesta a primeira derrota caseira ao Mafra e continuam a subir na tabela.
  • Madalena 2-4 Messinense - Outra surpresa, depois da primeira derrota do campeonato frente ao Lagoa, agora o primeiro desaire caseiro frente aos algarvios do Messinense, decididamente os açorianos não se dão com os algarvios. Com a sua primeira vitória fora os de São Bartolomeu de Messines estão a apenas três pontos do terceiro lugar.
  • Lusitânia 0-1 Olivais e Moscavide - Natural vitória do Olivais e Moscavide, dado o seu estatuto de candidato à subida, o Lusitânia volta-se a afundar
  • Carregado 2-1Juventude de Évora- Vitória natural do Carregado, mandão em casa e com apenas uma derrota frente ao Mafra, os ribatejanos continuam no meio da tabela. Os alentejanos do Juventude não conseguem sair dos últimos lugares.
  • Louletano 1-2 Atlético - A equipa da Tapadinha continua a subir e já está no terceiro posto, invicto fora e desde que Carlos Manuel entrou para o comando técnico, o Atlético assume-se cada vez mais como candidato. Os de Loulé continuam muito aquém do que deles se esperava.
  • REAL 0-1 Operário - Depois de apadrinhar a primeira vitória fora do Juventude de Évora, agora foi o Operário a estrear-se a vencer fora. O Real mesmo após a mudança de treinador continua sem se encontrar e a carregar a incómoda lanterna vermelha. Com esta vitória o Operário colou-se ao Atlético no terceiro lugar.
3ª Divisão B Série E 8ª Jornada 2007/10/28

Uma vitória, uma derrota e um empate, as equipas do concelho conseguiram nesta jornada todos os resultados possíveis, no fundo esperados dado o valor dos seus adversários.
  • SINTRENSE 1-1 Alcochetense - Frente ao líder Alcochetense o Sintrense conseguiu um empate que se pode considerar bom, continua nos primeiros seis e sem perder à quatro jogos. O Alcochetense com este empate foi apanhado pelo Elvas na liderança.
  • Oriental 3-2 SL Cartaxo - Pedro Gomes estreou-se a vencer, segunda vitória por 3-2 em casa dos lisboetas que começam agora a subir na classificação mas muito aquém do que se esperava do histórico clube de Marvila, candidato assumido à subida de escalão. Os ribatejanos continuam a sofrer muitos golos e sem pontuar fora do Cartaxo.
  • Câmara de Lobos 4-1 Bombarralense - Segunda goleada caseira pelos mesmos números, depois do Cacém foi agora o Bombarralense que não se deu bem com os ares da Madeira. As duas equipas trocaram assim de posições na tabela.
  • Fazendense 1-1 Estrela de Vendas Novas - Empate esperado entre duas equipas que ocupam os últimos lugares, não aproveitando para fugirem aos mesmos. O Fazendense não ganha à seis jogos. Depois de duas vitórias consecutivas o Estrela empatou e continua nos últimos cinco.
  • Estrela Portalegre 0-2 ATLÉTICO CACÉM - Vitória esperada do clube do Cacém num campo onde a crise de resultados está instalada e dada a diferença classificativa. O Estrela continua sem vencer e no último lugar. O Atlético do Cacém conseguiu a segunda vitória fora e subiu ao quinto lugar da geral.
  • Santana 2-0 1º DEZEMBRO - Primeira derrota do 1º Dezembro num estádio difícil, na sempre complicada ilha da Madeira os comandados de Fonseca não conseguiram manter a invencibilidade frente a um conjunto também invicto.
  • O Elvas 3-1 Igreja Nova - O Elvas depois das duas primeiras derrotas com nove golos sofridos em dois jogos que colocaram os elvenses com a terceira pior defesa da prova, nada melhor para o azuis-ouro a vitória sobre os invictos Igreja Nova e por consequência a colagem ao primeiro lugar a par do Alcochetense. O Igreja Nova, surpresa da prova sofreu nos últimos dois jogos cinco golos, quando nos primeiros seis jogos apenas tinha sofrido dois, deixando de ser a melhor defesa da prova.

2ª Divisão - Série D

por Nuno Costa no Noticias da Manhã

Olivais e Moscavide - O triunfo no terreno do Lusitânia (1-0) representou o sétimo jogo consecutivo sem perder. Como o líder Madalena voltou a escorregar, a liderança está a apenas um ponto de distância. A recepção ao comandante no próximo domingo poderá marcar a ultrapassagem.

Atlético - Desde que pegou no leme do clube alcantarense, Carlos Manuel ainda não perdeu. Desta feita, o triunfo em Loulé (2-1) permitiu a ascensão à terceira posição e a aproximação ao líder que, nesta altura, tem apenas cinco pontos a mais. O clube da Tapadinha apresenta ainda a melhor defesa da prova (5 golos sofridos) a par do Mafra.

Odivelas - O técnico António Pereira voltou a ser feliz diante de uma sua antiga equipa. Depois de noutras ocasiões já tal ter acontecido, agora foi a vez de ir a Pinhal Novo repetir a gracinha. O Odivelas bateu por 3-1 o Pinhalnovense e aproxima-se dos seis primeiros lugares, que agora estão à distância de apenas quatro pontos.

Carregado – Foi a única equipa da Série D a triunfar em casa, ao bater o Juventude de Évora por 2-1. Com este triunfo, o conjunto orientado por Elói Zeferino aproximou-se dos seis primeiros, que estão a apenas dois pontos de distância.

Mafra - Não se pode dizer que foi uma catástrofe, mas a derrota (0-1) na recepção ao Lagoa foi, no mínimo, surpreendente e deixa a formação saloia a quatro pontos da segunda posição. O dissabor só não foi maior porque o líder Madalena também perdeu.

Pinhalnovense - A derrota caseira diante do Odivelas (1-3), marca o sexto jogo consecutivo da turma de Pinhal Novo sem ganhar, algo que atira com a formação agora comandada por Paco Fortes para a décima posição, com apenas mais três pontos que o “lanterna vermelha”.

2ª Divisão Nacional - Série D - *** 1000º Post ***

por Nuno Costa no Noticias da Manhã


Real Sport Clube 0 vs Clube Operário Desportivo 1

“Isto é que vai uma crise!” lá para as bandas de Queluz

O Real continua a ser o principal adversário de si próprio e, quando assim é, qualquer deslize se torna muito difícil de ultrapassar. O Operário soube aproveitar uma benesse à entrada da área contrária para conquistar um triunfo que, de facto, não procurou, mas que lhe foi oferecido em bandeja de prata.

Primeira parte sonolenta
Quando uma equipa procura chegar até à baliza contrária, mas sem grande discernimento e denotando uma enorme falta de confiança, e outra se limita a deixar passar o tempo, considerando o nulo um resultado positivo, o resultado apenas pode ser um jogo sonolento e sem história. Como tal, apenas ao minuto 42 (!) teve lugar a primeira jogada com algum perigo durante o primeiro tempo: João Monteiro cruzou na esquerda e, de cabeça, Daniel Almeida correspondeu, atirando ao lado.

Falha origina golo
A segunda metade do encontro iniciou-se com algum equilíbrio e apenas um remate de cabeça de Miguel Gonçalves, que saiu à figura de Serrão, constituiu algum perigo durante os primeiros dez minutos.
Todavia, à passagem do minuto 60, um ressalto à entrada da área visitada, quando esta procurava sair para o ataque, colocou a bola nos pés de Jorginho que se isolou e finalizou sem problemas à saída do guardião Pedro Cardoso. Um tento caído do céu para a turma açoriana, que nada havia feito para o justificar.
Em desvantagem, os queluzenses ainda pressionaram o último reduto contrário, mas a crise de confiança é muito grande e os jogadores demonstraram uma enorme falta de discernimento. Como tal, a defensiva açoriana acabou por chegar, até final, para as “encomendas”, usando essencialmente de um grande sentido prático.
Arbitragem sem problemas, mas algo picuinhas.

3ª Divisão Nacional -Série E

por Ricardo Miguel no Noticias da Manhã


Sport União Sintrense 1 vs Grupo Desp. Alcochetense 1

Uma tremenda exibição do Sintrense provou que, ao contrário do que a classificação indica, o Alcochetense não é uma equipa imbatível. De facto, a formação da margem Sul bem pode contentar-se com o empate (1-1) arrancado a ferros no terreno do quinto classificado, o Sintrense. A um penalty do sonho Não fora uma grande penalidade de natureza duvidosa - não nos parece que Mateus tenha empurrado o avançado da formação do Alcochetense, na sequência de uma indecisão da defesa da equipa da casa - a favor do líder da prova e pensamos que muito dificilmente este poderia ter evitado a derrota perante uma equipa que fez das tripas coração para negar que a melhor qualidade futebolística do visitante pudesse vir ao de cima. Mas o árbitro apontou para a marca da grande penalidade e Willy (talvez o melhor valor do Alchochetense) empatou, mesmo ao cair do pano da primeira parte, uma partida que, até então, estava a ser ganha e dominada pelo Sintrense. Tal domínio tivera no remate certeiro de Josué, aos 29 minutos, o seu ponto alto. Uma jogada individual que culminou com um remate, quase sem ângulo, que fez explodir de alegria o bem composto Estádio do Sintrense. Só de livre... O Alcochetense até começou melhor a segunda parte, tendo ficado mesmo perto do golo, quando Ricardo obrigou Renato a uma apertada defesa, aos 53’. No entanto, foi sol de pouca dura. Coube sempre, durante a meia hora final da partida, ao Sintrense o domínio da partida e só não se gritou golo novamente porque, também na sequência de um livre, a bola enviada por Pedro Alves com o seu pé direito saiu a rasar o poste da baliza do Alcochetense. A partida terminaria com um empate que, apesar de poder ser considerado justo, esteve muito perto de se ter tornado na primeira derrota do líder na prova.

Distritais AFL

por Paulo Figueiredo no Noticias da Manhã

Divisão de Honra

Casa Pia volta a ganhar pontos
O Casa Pia isolou-se na liderança da Honra de Lisboa ao receber e vencer o Lourel por 3-2. Os gansos têm agora dois pontos de avanço sobre o Encarnacense que não foi além de um nulo perante o Pêro Pinheiro. Porém, o Casa Pia ganhou ainda pontos a outros directos perseguidores, já que Futebol Benfica e Musgueira, terceiro e quarto classificados, e Tojal e Loures, sexto e quinto da geral, também empataram.
Numa ronda em que não houve vitórias fora de casa, destaque para as vitórias do Linda-a-Velha, Ponterrolense e Oeiras. Com estes triunfos, estas equipas alcançaram o Loures no quinto posto da classificação.
No fundo da tabela, o Ericeirense deu um salto de gigante ao bater o Bucelenses enquanto que Povoense e Fanhões somaram nova derrota mantendo-se, a par, nos dois últimos lugares do campeonato.

1ª Divisão

Alterações na liderança marcam jornada
Na sexta jornada da 1ª Divisão, assistimos a uma troca curiosa na Série 1. As equipas que na última semana ocupavam 1ª e 2ª posições, Venda do Pinheiro e Mucifalense, respectivamente, trocaram de posições com as que seguiam no 3º e 4º lugares. Ou seja, o Castanheira é agora líder da classificação, sendo seguido pelo Freiria. O Venda do Pinheiro, líder na última jornada, saiu derrotado do reduto do Livramento, que sobe assim duas posições. Na Série 2, o Alta de Lisboa não desarma e continua a liderar a classificação em igualdade pontual com Tires e Talaíde.

2ª Divisão

Já na 2ª Divisão, o quarteto que encabeça a Série 1 venceu os respectivos jogos. Com a equipa do Coutada isolada no primeiro lugar, São Pedro, A-dos-Cunhados e Cerca mantêm-se na peugada do líder. Quem parece empenhado em sair dos últimos lugares é o Furadouro, que na última jornada ocupava a penúltima posição, tendo agora dado o salto para o 12º lugar. No que respeita à Série 2, a ronda trouxe uma troca de líderes, com o Alverca a encabeçar agora a classificação. Por último, a Série 3 não só conheceu um novo líder, como tem também diferente «lanterna-vermelha». O Olivais Sul segue isolado no topo da tabela, com o Mexerume a conquistar a primeira vitória e a entregar o último posto ao Malveira da Serra.

Divisão Honra AFL

por João Carlos Vieira no site Desporto na Linha


Sp. Clube Linda-a-Velha 3 vs Ass. Familiar Desp. Torre 1

O equilíbrio da primeira parte não resultou em muitas ocasiões de golo e apenas aos 29 minutos Luís Santos colocou verdadeiramente à prova o guarda-redes da Torre, Moreira. Na resposta, foi Vasquinho a experimentar a atenção do jovem guardião Barbosa, neste jogo, chamado a defender as redes da equipa da casa.

Aos 40 minutos, Luís Santos, que já anteriormente tinha ameaçado a baliza contrária, conclui uma excelente jogada individual com um remate de fora da área, conseguindo assim um golo de belo efeito, que se traduziu na vantagem detida pelo Linda-a-Velha, ao intervalo (1-0).

A etapa complementar foi muito mais rica em incidências, especialmente com muitas perdidas por parte dos donos da casa. Baldé foi o mais perdulário e depois de duas boas perdidas após o reatamento, viu a sua equipa sofrer o empate, com um remate soberbo de Vila, a fazer a igualdade para a equipa de Cascais, estavam decorridos 57 minutos de jogo.

A equipa de Linda-a-Velha reagiu bem ao golo sofrido e as oportunidades junto da baliza contrária sucederam-se, por Marocas, Fábio, Ivo e ainda Baldé, o autor de várias tentativas frustradas até ao minuto 80, momento em que, finalmente, consegue desfeitear Moreira, com um remate de primeira após a marcação de um pontapé de canto.

A perder por 2-1 a equipa da Torre ainda tentou, num último esforço, chegar à baliza de Barbosa, mas foi antes a formação do concelho de Oeiras a ampliar a diferença, por intermédio de Serrinha, a fazer o 3-1 final, já com sete minutos decorridos para além dos 90 regulamentares.

“Não foi uma exibição bem conseguida por parte do Linda-a-Velha. Não jogámos bem mas somámos três pontos que era o mais importante” comentou ao Desporto na Linha, o treinador do Linda-a-Velha, Luís Silva. Contudo, “criámos muitas situações e fomos uns justos vencedores”, considerou.

Para o técnico da Associação da Torre, Borreicho “os dois primeiros golos sofridos resultaram de lances de bola parada. É uma pecha nossa e temos de trabalhar para corrigir esses erros”, referiu. “O terceiro golo já surge quando andávamos à procura do empate e esperamos fazer melhor nos próximos jogos”, concluiu.

Divisão Honra AFL

por Paulo Figueiredo no Noticias da Manhã


Ass. Desportiva de Oeiras 3 vs Sport Lisboa e Olivais 0

Entrada de rompante dos visitados determinou vencedor do encontro

Depois de ter sido derrotado por Loures e Pêro Pinheiro, o Oeiras não podia perder pontos na recepção ao Olivais para não se afastar ainda mais dos líderes do campeonato. Cientes da responsabilidade, os jogadores da turma da Linha entraram de rompante no jogo adiantando-se no marcador logo no primeiro minuto. Jorge Cordeiro, isolado perante Luís Campos, após bela desmarcação de André Rodrigues, não perdoou, abrindo cedo o activo.
Os visitantes acusaram em demasia o golo sofrido, nunca se encontrando durante os primeiros 45 minutos. O Oeiras dominava a seu bel-prazer e, aos 8 minutos, o segundo golo esteve à vista. Contudo, André Rodrigues deslumbrou-se com as facilidades concedidas desperdiçando a oportunidade de dilatar a vantagem.
Com Stanic, guardião da equipa da casa, a ser praticamente um espectador durante a primeira parte, não foi de estranhar que o perigo rondasse a baliza dos visitantes. Valeu ao Olivais o desacerto no capítulo da finalização dos locais com destaque para Rogério que, além de desperdiçar um golo de baliza aberta, ainda enviou uma bola ao ferro. Ao intervalo, o resultado não traduzia totalmente a superioridade da equipa da casa.

OLIVAIS SOBE NO TERRENO E OEIRAS APROVEITA
No reatamento, o Olivais entrou com outra disposição mas, ao adiantar-se no terreno, permitiu que o Oeiras tirasse com maior facilidade partido das suas carência defensivas. Não foi, assim, surpresa para ninguém o segundo golo da equipa da linha apontado, aos 52 minutos, por Rogério. O avançado do Oeiras, desta feita, mostrou-se bem mais certeiro dando o melhor seguimento a uma assistência, com o peito, de André Rodrigues.
Este golo acabou com as esperanças do Olivais que, mesmo assim, nunca baixou os braços. Já depois de Jorge Cordeiro ter cabeceado ao poste, aos 56 minutos, os visitantes desfrutaram de algumas oportunidades para reduzir a desvantagem. O avançado Luís Carlos cotou-se como o jogador mais inconformado do Olivais tendo, inclusive, enviado uma bola ao poste da baliza à guarda de Stanic. No entanto, a maior qualidade técnica do Oeiras veio ao de cima e, aos 71 minutos, Afonso fez o terceiro golo na transformação de um livre. Com uma execução perfeita, o jogador da casa não deu qualquer hipótese a Luís Campos.
Até final, destaque para mais um remate ao ferro da baliza do Olivais. Nuno Almeida, que entrou no decorrer da segunda parte, ficou desta forma a centímetros do golo.
Vitória justa do Oeiras numa partida bem arbitrada por Flávio Roques.